Situada na costa sul da China, banhada pelo Oceano Pacífico, a cidade tem uma geografia linda e difícil, com faixas de terreno plano entre praias e montanhas arborizadas.

Como eu falei no post anterior, tínhamos uma passagem mais folgada por Hong Kong. De tal modo, pudemos fazer o planejado com mais calma e tranquilidade.

No segundo dia, fomos até o Pier em frente ao Shopping Harbour City, no bairro de Tsim Sha Tsui, para pegarmos o ferry em direção à Ilha de Hong Kong, pois estávamos hospedados na Ilha de Kowloon. A travessia é linda (e baratinha) e dura apenas 05 minutinhos. De lá, fomos direto para a Central, que, como o próprio nome sugere, é o centro e o agito daquele lado da ilha. Um passeio despretensioso por aquela região é uma delícia, você encontra de lojas de grifes à barraquinhas de frutas e verduras sem luxo algum. Por ali, um passeio pelo shopping Land Mark, seguido pela escadaria que leva até o Soho. Gente! Fiquei muito surpresa e encantada com aquele passeio. Como Hong Kong é bem íngreme, existe por lá uma escada rolante gigantesca que nos leva até a parte mais alta da ilha. Uma escada rolante atrás da outra, termina uma e já começa a seguinte, o que permite com que você saia com facilidade de cada uma pra conhecer as ruas das redondezas. Saímos lá em cima, na última escada, e fomos descendo, afinal, na descida todo santo ajuda, né? 😀

Central
Central

 

Escadas Rolantes de HK
Escadas Rolantes de HK

Escadaria2

 

Além de limpo, o transporte em Hong Kong é muito barato. Uma passagem de bonde ou balsa custa cerca de R$ 0,50. As passagens de metrô variam entre R$ 1 e R$ 5, conforme dia, horário, deslocamento e perfil social do viajante.

Ferry
Ferry

Almoçamos em algum restaurante típico chinês. A gente escolhia assim: o que tiver mais chineses e menos turistas a gente entra. E sempre dava certo! Comida deliciosa.

Em um restaurante qualquer no Soho
Em um restaurante qualquer no Soho

 

Nesse mesmo dia, fomos até o mais conhecido cartão postal da cidade: Victoria Peak! Muitos o compararam com o Corcovado, no Rio de Janeiro. Fomos de táxi e voltamos de Funicular. Meu Deus, como é íngrime! Tava vendo a hora do “bicho” descer desembestado, rs. Aconselho ir e voltar de funicular, a viagem é rápida e bem mais barata, além de já sairmos na “boca do gol”.

Funicular

 

Vista do Victoria Peak
Vista do Victoria Peak

 

Na volta, uma passagem pela Catedral de Hong Kong. A igreja é bem simples e sem pompa alguma, o que não fez emocionar-me menos vendo aquelas pessoas de olhinhos puxados professando a mesma fé que eu. <3

Pra voltar pra Kowloon é fácil: vá até o Píer 07 pegar o ferry que sai em direção ao outro lado da ilha, de 10 em 10 minutos.

 

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *