Confesso que Hong Kong nunca esteve entre o leque de cidades em que eu tinha uma grande vontade de conhecer. Ainda haviam (e há!) muitos outros locais que, para mim, seriam mais interessantes, entretanto, com os planos da viagem para a Ásia tomando forma, Hong Kong foi se tornando uma possibilidade cada vez mais real.

Hoje não faço uma viagem sequer sem passar um pente fino em diversos blogs de viagem e pegar dicas com amigos, acho que nos ajuda – e muito – a não cair em várias “armadilhas” (como eu e o Alcimor costumamos brincar: “todo castigo pra turista é pouco”, rs). E assim foi feito. Pesquisei muito sobre Hong Hong, sua história, cultura, gastronomia e pontos turísticos. Comecei a me empolgar.

Hong Kong é uma das duas regiões administrativas especiais da República Popular da China, a outra é Macau (dedicarei um post a Macau posteriormente). HK é conhecida pelos seus enormes arranha-céus e como uma das áreas mais densamente povoadas do mundo, com uma população de 7 milhões de habitantes. Muitas vezes descrita como o lugar onde o “Oriente encontra o Ocidente”, Hong Kong segue o princípio de “um país, dois sistemas”, já que, como dito, é uma região administrativa especial. A maior parte do território de desenvolvimento urbano da ilha de HK consiste na Península de Kowloon, onde ficamos hospedados.

Chegar a noite em HK faz toda a diferença. Prédios altíssimos e iluminados, letreiros luminosos espalhados pela cidade, muita gente na rua e MUITAS (em caps lock) lojas de grife foram as coisas que, de imediato, mais me chamaram a atenção. No início estranhei, confesso, os prédios, muitos deles bastante velhos, o formato das lojas e os seus anúncios, as barraquinhas de comida nas ruas, as centenas de pessoas andando com máscaras hospitalares, enfim, algo que, isoladamente, causa estranheza, mas que, considerado em conjunto, passa a fazer sentido. Isso é Hong Kong!

Hong Kong é realmente surpreendente! A cidade, muitas vezes citada como a New York do Oriente, é cosmopolita, respira vida e agito, e é um super destino. Nós indicamos!

 


PS: Esse é o primeiro post de uma série de publicações sobre a ilha de Hong Kong. Fiquem de olho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *